Os seres humanos e muitos outros animais são dotados de um sistema esquelético composto de partes duras chamadas ossos. Os ossos ajudam a sustentar o corpo e a proteger seus órgãos. Além disso, armazenam nutrientes e minerais importantes e produzem células sanguíneas. O corpo humano tem mais de duzentos ossos.

Estrutura óssea

Existem dois tipos básicos de tecido ósseo: o compacto ou denso e o esponjoso ou reticulado. Os dois tipos são constituídos de cálcio e outros minerais, fibras de proteína e água.

O tecido ósseo compacto é sólido e muito duro. Ele compõe a camada externa de todos os ossos. O tecido ósseo esponjoso fica sob a maioria dos tecidos compactos. Sua aparência lembra a de um favo de mel ou uma esponja, mas ele não é mole. Os diversos espaços que nele existem permitem que amorteça choques ou pressões repentinas exercidas sobre o osso.

A medula óssea preenche os espaços vazios no tecido ósseo esponjoso e também nos ossos longos. Ela é uma substância mole, gelatinosa, e pode ser vermelha ou amarela. A medula vermelha forma as células do sangue e a amarela armazena gorduras.

Uma membrana fina recobre cada osso. Ela contém nervos e vasos sanguíneos ligados a ele. Os vasos sanguíneos levam nutrientes ao osso e, dele, transportam células sanguíneas para o restante do corpo.

Como o tecido ósseo é formado

Para produzir tecido ósseo novo, células especiais constroem uma estrutura de proteína. Então o sangue leva o cálcio, que adere à estrutura. Quando o cálcio endurece, o novo tecido se completa. O corpo também é capaz de reconstruir ossos que se desgastam ou se quebram.

Ossos quebrados

A lesão sofrida quando um osso se quebra é denominada fratura. A maioria das fraturas é simples — ou seja, ocorre sob a pele. Mas, quando um osso se quebra e rompe a pele, ficando aparente, a fratura é chamada exposta. A velocidade com que o osso se refaz depende da idade do paciente. Quanto mais velha é a pessoa, mais tempo seus ossos quebrados levam para se recompor.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.