O papa é o chefe da Igreja Católica. O ofício (ou instituição) vinculado ao papa chama-se papado. Ele governa a Igreja, da mesma forma que um rei governa um país.

Tarefas

O papa faz muitas coisas e dispõe de uma organização chamada Cúria Romana para ajudá-lo. Ele estabelece a posição da Igreja em relação a vários temas. Tem o poder de convocar conselhos ecumênicos — reuniões gerais que decidem sobre a política da igreja. Também indica religiosos, chamados bispos, que vão atuar em diferentes regiões do mundo inteiro. A região cujos assuntos religiosos são administrados por um bispo se chama diocese. Cada bispo é responsável por todas as igrejas católicas que fazem parte da sua diocese.

O próprio papa é o bispo de Roma, na Itália. Ele governa o Vaticano, que fica dentro da cidade de Roma mas é outro país. O Vaticano (também chamado Cidade do Estado do Vaticano) é tudo o que resta dos Estados Papais, uma região da Itália que os papas controlaram entre 756 e 1870.

Eleição

O papa é eleito para o cargo que ocupa. Somente os cardeais, que são os bispos do alto escalão, podem votar. Depois que um papa morre, todos os cardeais com menos de 80 anos se reúnem na Capela Sistina, no Palácio do Vaticano, e votam secretamente para escolher, entre eles, quem será o novo papa. Isso gera enorme expectativa entre os católicos, que ficam em suspense esperando a emissão de uma fumaça branca pela chaminé da capela. Essa fumaça sinaliza que o novo papa foi eleito. Às vezes são necessárias várias votações até que alguém consiga a maioria dos votos.

História

Os católicos consideram São Pedro, que morreu por volta de 64 d.C., como o primeiro papa. São Pedro foi um dos doze apóstolos, ou primeiros seguidores, de Jesus Cristo. Desde então já houve mais de 260 papas.

Durante a Idade Média (mais ou menos do século V ao XVI), às vezes houve mais de um papa; o não oficial era escolhido por cardeais descontentes com o comando em Roma e recebia o nome de antipapa. Durante o Grande Cisma Ocidental (uma crise na Igreja Católica que durou de 1378 a 1417), havia dois papas, um em Avignon, na França, e outro em Roma, na Itália. A Igreja Católica considera que, nesse período, o papa verdadeiro era o que tinha a sede em Avignon, enquanto o de Roma era o antipapa. No entanto, em 1417, os cardeais entraram em acordo para haver apenas um papa. Desde então, todos os papas moram em Roma.

Em 2013, o papa Bento XVI anunciou sua renúncia ao papado por motivos de saúde. Ele foi o primeiro pontífice a renunciar desde Gregório XII em 1415. Todos os outros papas desde Grégorio têm servido até a morte. Bento recebeu o título de papa emérito depois que ele renunciou, em 28 de fevereiro. Um novo papa foi eleito em 13 de março. O cardeal Jorge Mario Bergoglio, da Argentina, tornou-se o papa Francisco, o primeiro da América.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.