O pelo é um filamento muito fino e flexível que cresce na pele de todos os mamíferos. Assim como os chifres e as unhas, os pelos são constituídos principalmente por uma proteína chamada queratina.

Cada pelo é formado por um fio e uma raiz. A parte do fio que vemos sobre a pele já morreu. A raiz encontra-se sob a superfície da pele, em uma minúscula cavidade chamada folículo piloso. Na base da raiz é que estão as células vivas, que, conforme se reproduzem, empurram as células velhas para fora da pele. É dessa maneira que os pelos crescem.

O crescimento dos pelos varia muito entre os animais. Muitos mamíferos, como os cães e os cavalos, têm pelos distribuídos por praticamente toda a superfície do corpo. Quando a pelagem é abundante e macia, como a dos coelhos, ela é chamada de pele. As baleias e os hipopótamos, que também são mamíferos, possuem apenas alguns fios.

Os seres humanos têm menos pelos que a maioria dos mamíferos. Normalmente, a maior parte dos pelos de uma pessoa cresce no couro cabeludo, variando entre cerca de 100 mil a 150 mil fios. Esse conjunto de fios que cresce na cabeça é chamado de cabelo.

Uma das funções mais importantes dos pelos é manter o animal aquecido. Eles ajudam também a proteger a pele da umidade.

Os pelos que nascem no focinho dos animais têm função tátil, servindo para que eles percebam coisas e espaços. Esses pelos, que costumamos chamar de bigodes, na verdade são denominados vibrissas. O ser humano tem bigode, contudo o dele não é dotado dessa função.

Na fabricação de roupas, é muito comum o emprego de pelos de animais, como ovelhas, bodes e camelos. No caso desses animais, o pelo é tosado, isto é, cortado rente à pele. Eles não são mortos para que se façam peças de vestuário. Já no caso de animais menores, como coelhos, martas e raposas, é necessário matá-los para retirar sua pele. Essa prática é muito criticada por pessoas que defendem os direitos dos animais. Muitos animais que têm belas peles são caçados insdiscriminadamente e estão em perigo de extinção.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.