As pilhas e as baterias fornecem eletricidade (energia elétrica) a lanternas, rádios, telefones celulares, jogos eletrônicos e diversos tipos de equipamentos (que podem ser grandes como automóveis). A pilha, ou bateria, é uma espécie de recipiente que armazena energia, que é, assim, usada quando necessário. Os elementos químicos dentro da pilha ou bateria são os encarregados de armazenar a energia: quando ela é usada, a energia química se transforma em energia elétrica.

Como as pilhas e as baterias funcionam

Dentro das pilhas e das baterias há duas peças de metal, os eletrodos, imersas em um meio líquido ou pastoso. O líquido, ou a pasta, chamado eletrólito, é uma mistura de elementos químicos. Cada eletrodo tem uma ponta, chamada terminal, que se projeta para fora da pilha ou bateria.

Para a pilha ou bateria funcionar, os terminais precisam ser conectados a uma fiação externa. Assim, os elementos químicos no eletrólito provocam o fluxo de elétrons de um eletrodo para o outro. (Os elétrons são partículas minúsculas, que associadas a prótons e nêutrons compõem o átomo e formam a matéria do universo.) Esse fluxo origina uma corrente elétrica, que, passando através da fiação, faz as lanternas e outros aparelhos elétricos funcionarem.

Tipos de pilhas e baterias

Basicamente há dois tipos de pilhas e de baterias. A pilha ou bateria que só pode ser usada uma vez é chamada primária: quando os metais ou os eletrólitos já estiverem esgotados, ela não funcionará mais. Geralmente, pilhas para lanternas, rádios e brinquedos são primárias. No entanto, atualmente já se encontram no mercado pilhas desse tipo recarregáveis.

As pilhas ou baterias que podem ser usadas muitas vezes são as secundárias, ou recarregáveis, como as empregadas em telefones e equipamentos médicos. As baterias secundárias são recarregadas por meio de corrente elétrica recebida de uma fonte externa. Por exemplo, podemos recarregar a bateria de um telefone celular conectando-o a uma tomada na parede.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.