O território brasileiro é dividido em cinco grandes regiões, de acordo com a divisão definida pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) que passou a constar dos mapas em 1970. Para definir os estados de cada região foram usados critérios ligados ao conjunto de condições naturais que eles têm em comum — clima, relevo, vegetação e hidrografia —, à posição geográfica que ocupam e aos aspectos humanos que envolvem as atividades econômicas e o modo de vida da população.

A região Sudeste é formada pelos estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo.

Apesar de não ser muito extensa, é a região mais populosa e rica do país, com 80.353.724 habitantes (censo de 2010). Muito urbanizada, abriga as três metrópoles brasileiras mais importantes: São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.

Geografia

A região Sudeste fica na parte mais elevada do planalto Atlântico, que abriga as serras da Mantiqueira, do Mar e do Espinhaço. Seu relevo apresenta planaltos, baixadas, morros arredondados e em formato de “pão de açúcar”.

A mata nativa do litoral começou a ser devastada já durante o povoamento da região e na época de expansão do cultivo de café. Em Minas Gerais, a vegetação predominante é o cerrado, e, no norte do estado, encontra-se a caatinga.

No litoral, predomina o clima tropical atlântico e, nos planaltos, o tropical de altitude. No sul do estado de São Paulo, o clima é subtropical.

Em virtude de seu relevo, predominam os rios de planalto, favorecendo a presença de usinas hidrelétricas na região. As principais bacias hidrográficas são as do Paraná, do São Francisco, do Leste e do Sudeste-Sul.

População e povoamento

A população do Sudeste do Brasil é composta de brancos, negros, pardos, amarelos e indígenas. A maior parte vive em zona urbana.

Seu povoamento deve muito às bandeiras, expedições desbravadoras realizadas entre os séculos XVII e XVIII com o objetivo de caçar e aprisionar índios e buscar riquezas minerais, como ouro, prata e pedras preciosas. Seus líderes, os bandeirantes, abriram trilhas e caminhos em direção ao interior do país, ao longo dos quais se formaram pequenos povoados.

A mudança da capital do país de Salvador, na Bahía, para o Rio de Janeiro e a expansão do cultivo do café para o interior contribuíram para a maior ocupação do Sudeste.

Muitos nordestinos migraram para a região, estabelecendo-se principalmente em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Outro fator de importância para o povoamento da região foi a chegada de imigrantes estrangeiros: no estado do Rio de Janeiro, suíços e alemães; no Espírito Santo, alemães; em São Paulo, italianos, japoneses, espanhóis, libaneses e sírios, entre outros. Na região como um todo, a imigração predominante foi a dos portugueses.

Economia

A região Sudeste tem a economia mais desenvolvida e industrializada do Brasil. Sua produção é diversificada. Na agricultura, produzem-se cana-de-açúcar, café, algodão, milho, frutas etc. A pecuária tem grande presença nos quatro estados.

Têm destaque a exploração de minérios e de petróleo na região. No campo das ciências, encontram-se nela os maiores polos de pesquisa do país. O turismo também é uma importante atividade econômica para a região Sudeste.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.