As resinas naturais são substâncias líquidas e espessas retiradas de árvores. Os cientistas aprenderam a produzir resinas artificiais que atuam como as naturais. Ambos os tipos são usados para fazer produtos diversos.

As resinas naturais têm coloração entre amarelo e marrom, com aparência transparente. Muitas resinas provêm de pinheiros e abetos; elas escorrem por aberturas nas cascas das árvores feitas por ventos, fogo, raios etc. Quando a resina seca, ela se torna muito dura. A resina fossilizada, ou âmbar, é um material que endureceu há milhões de anos, depois de cair no chão e ficar enterrado.

Desde a Antiguidade, os chineses, os japoneses e outros povos usaram resinas para fabricar lacas e vernizes, substâncias transparentes que podem ser aplicadas em madeiras e outros materiais, para lhes dar um acabamento resistente e brilhante. As resinas também são usadas para fabricar um solvente, isto é, um produto que dissolve outras substâncias, chamado terebintina.

Um tipo comum de resina natural, conhecido como breu, é largamente usado na indústria de papel e na produção de tintas, vernizes e sabão em pó. Os atletas usam breu para manter as mãos secas e melhorar a empunhadura de bastões, bolas, raquetes e outros equipamentos.

As resinas também são usadas para fabricar remédios, incenso, perfumes e aromatizantes de alimentos. As resinas artificiais são muito usadas para produzir plásticos.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.