O rio Mississípi é o mais extenso da América do Norte. Seu nome, que significa “Pai das Águas”, foi dado por índios americanos. As obras do escritor Mark Twain fizeram que esse rio passasse a fazer parte das tradições lendárias dos Estados Unidos.

Geografia

O rio Mississípi começa no lago Itasca, no norte do estado de Minnesota, e corre para o sul. Perto de Saint Louis, no estado de Missouri, o lamacento rio Missouri se junta ao Mississípi. Mais além, em Cairo, no estado de Illinois, o Mississípi se encontra com o caudaloso rio Ohio. O Mississípi entra no golfo do México perto de New Orleans, no estado da Luisiana.

O rio Mississípi por si só tem 3.780 quilômetros de extensão. Somado ao rio Missouri, que é seu afluente principal, o comprimento total da via fluvial é calculado em 5.971 quilômetros, o que o torna o quarto curso de água mais longo do mundo.

Fauna

Milhões de patos, gansos e cisnes passam pelo Mississípi durante suas migrações na primavera e no outono. O caminho que eles seguem se chama Rota de Voo do Mississípi. No rio encontram-se peixes como bagre, pescada e carpa.

Economia

O rio Mississípi tem uma longa história de comércio e, hoje, é uma das rotas fluviais comerciais mais movimentadas do mundo. Entre as mercadorias escoadas pelo rio estão o petróleo, o carvão, o ferro, o aço, produtos químicos e cereais de fazendas do Meio-Oeste dos Estados Unidos.

História

O primeiro europeu a explorar o Mississípi foi o espanhol Hernando de Soto, que entrou no rio vindo do golfo do México em 1541. Os exploradores franceses Jacques Marquette e Louis Jolliet viajaram parte do rio, descendo seu curso, em 1673. Outro explorador francês, La Salle, chegou à sua foz em 1682 e tomou posse de toda a região do Mississípi para a França, o que resultou na criação de uma colônia francesa. Em 1803, a França vendeu essas terras para os Estados Unidos, na chamada Aquisição da Luisiana.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.