O rio Paraná é o segundo rio da América do Sul em extensão (superado apenas pelo rio Amazonas), e o décimo do mundo em vazão de água. Esse rio imenso nasce da união dos rios Grande e Paranaíba, no encontro das divisas dos estados de São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul. “Paraná”, em tupi, significa “como o mar” (“para” significa “mar”; “ná” é “como”, “semelhante a”).

O rio corre para o sul, formando divisas e fronteiras entre Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná, Paraguai e, finalmente, Argentina. Nesse país, une-se ao rio Uruguai, em sua foz, para formar o estuário do rio da Prata, que desemboca no oceano Atlântico, entre a Argentina e o Uruguai. Em seu curso, o rio Paraná percorre 4.880 quilômetros. Sua bacia ocupa 2,8 milhões de quilômetros quadrados, abrangendo também o leste da Bolívia e o norte da Argentina.

Aspectos físicos

O rio Paraná recebe muitos afluentes, como os rios Tietê, Paranapanema, Iguaçu e Paraguai. Da nascente até o encontro com o rio Paraguai, é conhecido como alto Paraná. Nesse trecho, tem florestas a leste e cerrados a oeste. Na bacia do alto Paraná, o clima é quente e úmido. No verão há muitas chuvas, que às vezes provocam enchentes.

Entre os rios Iguaçu e Paraguai, o alto Paraná forma as fronteiras entre a Argentina e o Paraguai. No trecho final, dá curso a uma média de 17.293 metros cúbicos de água por segundo. Seu delta começa a se formar entre as cidades argentinas de Santa Fé e Rosário, alcançando uma largura de 65 quilômetros.

Economia

Às margens do rio Paraná, a vida animal é abundante e variada. A pesca é bem desenvolvida. O rio é navegável entre São Paulo e Mato Grosso do Sul, bem como entre o Paraguai e a Argentina. A imensa hidrelétrica de Itaipu, que fica no alto Paraná e foi concluída em 1982, gera energia para o Paraguai e para o Brasil. No baixo Paraná, o rio é utilizado como via de transporte para produtos agrícolas, industriais e de petróleo. Suas águas também são utilizadas para irrigar as terras próximas.

História

Às margens do rio Paraná, os paraguaios foram derrotados ao enfrentar as tropas argentinas e brasileiras, na Guerra do Paraguai (1865-1870). As florestas próximas ao rio diminuíram no último século, à medida que aumentaram as atividades econômicas. Na região antes de Iguaçu, existiam, no rio Paraná, muitas cachoeiras, inclusive os saltos de Sete Quedas, que desapareceram, submersos pela construção da usina hidrelétrica de Itaipu, em 1982. Mas as fantásticas cataratas do Iguaçu, no rio Iguaçu, pouco antes de desaguar no Paraná, continuam a atrair muitos turistas.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.