O rio da Prata se localiza na América do Sul, entre o Uruguai (ao norte) e a Argentina (ao sul). Embora seja chamado de rio, trata-se do estuário dos rios Paraná e Uruguai, ou seja, o ponto onde eles deságuam no oceano Atlântico.

Montevidéu, a capital do Uruguai, está localizada na margem norte do rio da Prata. Buenos Aires, a capital da Argentina, fica na costa sudoeste.

Aspectos físicos

Os rios Paraná e Uruguai despejam no rio da Prata uma grande quantidade de lodo. Os ventos e o movimento das marés do Atlântico impedem os detritos de se acumular no fundo do rio. Esses fatores dão às águas do Prata um aspecto lamacento e uma cor que varia entre o bege e o marrom.

No lado argentino, a costa é baixa e sujeita a enchentes em alguns pontos. As entradas para os portos argentinos precisam ser constantemente escavadas para permanecer fundas. Já a costa do Uruguai é consideravelmente mais alta.

O clima na região do rio da Prata é temperado e úmido. Os ventos mais frequentes são o pampeiro e o sudestada. Ambos exercem grande influência sobre as águas. O pampeiro, quando sopra com força máxima, dirige a água para a costa uruguaia, fazendo o nível no lado argentino diminuir. O sudestada, por sua vez, faz o nível da água abaixar na costa do Uruguai e se elevar na costa de Buenos Aires, muitas vezes provocando inundações.

Flora e fauna

No rio da Prata, águas salgadas e doces se misturam. Essa característica contribui para a variedade de espécies. A alternância das marés também influencia a presença de certos animais e plantas.

A vegetação varia de acordo com o relevo. É possível encontrar desde salgueiros e álamos até vegetação arbustiva e pastos. Mais próximo da água, há a presença do junco-gigante. A região também abriga aguapés, nenúfares e ingás.

Os animais incluem o raro golfinho-do-rio-da-prata, onças, antas e jaguatiricas, além de diversas espécies de tartarugas, dentre elas a tartaruga-cabeçuda e a tartaruga-verde. Outros répteis, como jacarés, cascavéis e iguanas, também são encontrados. Anfíbios, moluscos, crustáceos e uma grande variedade de peixes ajudam a compor a fauna. Dentre os peixes mais comuns estão a carpa, o dourado e várias espécies de bagre.

A Reserva Ecológica Costanera Sur, no leste de Buenos Aires, possui uma grande diversidade de flora e fauna. Os animais encontrados nessa área protegida incluem lontras, tartarugas, lagartos, cobras, rãs, sapos, peixes e centenas de espécies de aves.

Economia

O rio da Prata é tradicionalmente um local de produção pecuária. A região dos Pampas, na Argentina e no Uruguai, tem fazendas de criação de gado e ovelhas.

O turismo contribui para a economia da região. Junto à costa do Uruguai se encontram diversas ilhas, dentre elas Gorriti, São Gabriel e Martín García. Esta última, apesar da localização, pertence à Argentina e é um ponto turístico popular. Cidades costeiras de interesse histórico também atraem visitantes. Dentre elas, destaca-se Colônia de Sacramento, no Uruguai.

Um dos maiores portos da América do Sul fica em Buenos Aires, junto ao rio da Prata. Grandes volumes de carne e grãos produzidos pela Argentina e pelo Uruguai são exportados através desse porto. Muitas indústrias que processam esses produtos estão instaladas nas margens do estuário. Indústrias de papel, de tecido e metalúrgicas também estão presentes, além de um polo petroquímico em Buenos Aires.

Questões ambientais

A poluição despejada no rio da Prata é um grave problema ambiental. Em suas águas são lançados resíduos industriais, esgoto doméstico, fertilizantes químicos e pesticidas (substâncias usadas para matar pragas). Além disso, no Prata circulam muitos navios, tanto de carga quanto de cruzeiro. Essas embarcações também lançam resíduos que contaminam as águas. A poluição é uma ameaça não só à flora e à fauna, mas também à saúde da população, já que o rio fornece a água bebida por milhões de pessoas na região.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.