Os samurais foram guerreiros que dominaram o Japão por muitos séculos. O imperador japonês tirou o poder dos samurais em 1871. Entretanto, muitos japoneses continuaram a honrá-los por seu espírito de luta.

A origem dos samurais

Os primeiros samurais atuavam como seguranças, trabalhando como força de proteção das vastas terras que eram propriedade da classe alta japonesa. Aos poucos, foram se espalhando por todo o Japão e obtiveram as suas próprias terras. Também criaram os seus próprios exércitos e, assim, tornaram-se cada vez mais poderosos. No ano de 1185, um dos samurais conseguiu o domínio militar de todo o Japão. Em 1192, ele obteve o título de xógum. Então, os samurais tornaram-se a classe dominante. Os xóguns dominaram o Japão até 1867. Durante esses sete séculos, o Japão também teve imperadores, mas eles tinham menos poder do que os xóguns.

O caminho do guerreiro

Os samurais seguiam uma série de regras chamadas bushido, palavra que significa “o caminho do guerreiro”. Um samurai trabalhava para aperfeiçoar as condições físicas do seu próprio corpo e aprendia todas as habilidades de um soldado. Ele era corajoso e honesto. Honrava seus pais, mas, acima de tudo, obedecia ao seu líder. Um samurai que perdia uma batalha, ou cujo líder era morto, muitas vezes se suicidava, pois sentia não ter feito o seu dever.

O fim dos samurais

A paz predominou no Japão entre 1600 e 1860. Nesse período, na falta de guerras, os samurais mais trabalharam para o governo do que lutaram. No entanto, continuaram a ser chamados de samurais, pois o título era passado de pai para filho.

Na década de 1860, muitos samurais estavam insatisfeitos com as condições do país. Eles achavam que o Japão precisava modernizar-se. Assim, participaram de uma revolução que derrubou o xógum. Um imperador chamado Meiji assumiu o poder. Os samurais queriam que Meiji fortalecesse o Japão. Ele o fez, mas também tirou o poder dos samurais, ao criar um exército moderno para substituí-los.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.