A serra do Mar é um conjunto de montanhas que se estende do norte do estado do Rio de Janeiro até o sul de Santa Catarina. Ela tem cerca de 1.500 quilômetros de extensão, mas sua ocupação é irregular, com pontos mais povoados do que outros.

Geografia

Efeitos do clima e da movimentação do solo fizeram da serra uma formação bastante original, com escarpas e picos de altitude variável. Ela é constituída principalmente de granitos e gnaisses. Gnaisses são um dos tipos de rocha mais antigos do mundo.

O ponto mais alto da serra é o pico Maior de Friburgo, e tem cerca de 2.316 metros de altitude. Ele se localiza na cidade de Friburgo, no estado do Rio de Janeiro, e tem no topo três rochas que se parecem com agulhas.

Cada trecho da serra recebe um nome diferente. Por exemplo, a serra dos Órgãos é a última cadeia de montanhas da serra do Mar no estado do Rio de Janeiro. É nela que estão localizados o pico Maior e os outros dois de maior altitude: a pedra do Sino (2.268 metros) e o pico da Caledônia (2.262 metros).

Muitas cidades do litoral da região Sudeste do Brasil são cercadas pela serra do Mar, entre elas Santos, São Sebastião e Ubatuba, que integram o estado de São Paulo. Nesses trechos a ocupação da serra é mais intensa, justamente por causa das praias e das estradas construídas para chegar a elas.

Preservação

No estado de São Paulo (a partir da divisa com o Rio de Janeiro até a cidade de Iriri, no sul) foi criado, em 1977, o Parque Estadual da Serra do Mar. Ele tem 315 mil hectares e abrange 23 municípios do litoral e do vale do Paraíba. A área concentra a maior parte da mata Atlântica ainda existente no Brasil.

Vivem no parque mais de trezentas espécies de aves e uma centena de espécies de mamíferos, sendo que 22 delas estão ameaçadas de extinção. Entre as mais de 1.200 espécies de árvores e arbustos registradas, há três que só existem ali, segundo dados do Instituto Florestal, órgão da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.