O trenó é um veículo de carga, normalmente puxado por cavalos ou cachorros, sobre gelo ou neve. Originado de troncos colocados sob uma plataforma para arrastar objetos, é considerado o primeiro meio de transporte criado pelo homem.

Apoiado sobre lâminas retas deslizantes, o trenó é usado em lugares em que veículos com rodas teriam dificuldades para trafegar ou atolariam, como na Lapônia (no extremo norte da Europa) ou nas tundras do Alasca, do Canadá e da Ásia.

Trenó esportivo

esportes de inverno que consistem em dirigir um trenó sobre gelo ou neve e que podem ser praticados de várias maneiras.

As competições em que equipes formadas por duas a oito pessoas dirigem trenós com quatro lâminas deslizantes, em pistas de gelo inclinadas, naturais ou artificiais, são conhecidas como bobsleds, ou corridas de trenós.

As corridas de trenós foram criadas por volta de 1880, nas regiões madeireiras ao norte de Nova York e nas estâncias de inverno dos Alpes suíços. A primeira competição regulamentada (as equipes eram formadas por três homens e duas mulheres) aconteceu em Saint Moritz, na Suíça, em 1898. O esporte ganhou o nome de bobsled (chacoalhar o trenó) porque os competidores descobriram que jogar o corpo para a frente e para trás aumentava a velocidade do trenó. Em 1923, esse esporte tornou-se reconhecido internacionalmente, com a criação da Federação Internacional de Bobsleds e Tobogãs, e com a sua inclusão, no ano seguinte, nos primeiros Jogos Olimpícos de Inverno, em Chamonix, na França. Desde 1931, competições com equipes de duas ou quatro pessoas vêm ocorrendo anualmente, tendo sido suspensas apenas durante a Segunda Guerra Mundial. Embora as mulheres pratiquem o esporte desde que ele foi criado, até o final da década de 1990 não participaram de competições internacionais. A estreia da categoria feminina foi em 2002.

A pista e o equipamento

A pista de corrida usada nas competições internacionais mede de 1.200 a 1.600 metros de comprimento, com uma inclinação da ordem de 8 a 15 por cento. Geralmente existem de quinze a vinte curvas no percurso, algumas com ângulos bem fechados. Muitas pistas são feitas de concreto e pedras, cobertas com grandes camadas de gelo. As retas têm paredes laterais com 46 centímetros de largura e as curvas, que têm inclinações acentuadas, com altura de até 6 metros, podem ter um ressalto de gelo para impedir que o trenó saia voando durante a corrida.

Os primeiros trenós de corrida eram feitos de madeira. Pouco tempo depois, as lâminas começaram a ser feitas de aço e, em meados do século XX, o uso de aço e de alumínio era comum. As quatro lâminas geralmente são montadas em dois eixos. A direção é comandada girando o eixo dianteiro diretamente por meio de cabos ou de uma roda dentada acionada por cabos. O freio é uma barra dentada metálica montada entre os dois eixos, que é pressionada contra o gelo.

Os trenós de corrida têm uma cobertura aerodinâmica frontal, para aumentar a velocidade, e podem ser feitos para equipes de duas ou quatro pessoas. Pelas regras, o peso da equipe de quatro pessoas sobre o trenó deve ser de no mínimo de 390 quilos e no máximo de 630 quilos. Para competições de mulheres, o peso máximo é de 350 quilos. Outras dimensões do trenó também são especificadas.

Quem ganha

Devido às inovações de projeto e de construção introduzidas nos trenós, competidores dos Estados Unidos eram os grandes vencedores das corridas durante a primeira metade do século XX. Atualmente, equipes da Alemanha e da Suíça dominam as competições internacionais.

A largada é fundamental para o sucesso da equipe. Os competidores, calçando sapatos com pinos, empurram o trenó com a máxima velocidade e pulam para dentro do veículo. Equipes de quatro pessoas pesadas chegam a atingir 160 quilômetros por hora. A corrida consiste em quatro descidas por equipe e a soma dos quatro tempos determina o vencedor: quem fizer o menor tempo total ganha. Cronômetros eletrônicos registram diferenças de até 0,01 segundo entre o vencedor e o segundo colocado.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.