Tupinambá é o nome de uma tribo de índios, pertencente ao tronco linguístico tupi, que viveu numa extensa faixa territorial da costa do Brasil. Os tupinambás habitavam uma longa faixa costeira que ia do litoral norte de São Paulo à ilha Tupinambarana, no rio Amazonas — a segunda maior ilha fluvial do mundo —, passando pelo Recôncavo Baiano, pela foz do rio São Francisco, pelo Maranhão e pelo Pará.

Durante muitos anos foram considerados extintos, mas em 2009 a Funasa (Fundação Nacional de Saúde) reconheceu como tupinambá um grupo, estimado em 4.700 índios, que habita no entorno do distrito de Olivença, no município de Ilhéus, na Bahia. Eles vivem como lavradores (na extração da piaçava) e pescadores. Esse reconhecimento foi acompanhado da demarcação de seu território (com o nome de Terra Indígena Tupinambá de Olivença), que entra também pelos municípios de Buerarema e Una. Tudo isso foi resultado de uma longa resistência desse povo às diferentes tentativas de expulsão e de usurpação de suas terras.

Os tupinambás ocuparam esse território desde o século XVII, de forma perene. Em ciclos de oito em oito anos, é costume tupinambá se deslocar no território, para ocupar novas terras e poupar as áreas em que viviam, sem abandoná-las. As árvores frutíferas plantadas permanecem como pontos de referência, bem como as capoeiras (áreas de rejuvenescimento da mata). No entanto, com o desenvolvimento e a ocupação de áreas das matas por empreendimentos urbanos (a partir da década de 1930, com maior ênfase depois da década de 1960), os tupinambás foram ficando cercados e oprimidos, limitados na capacidade de implantação de novas habitações e novas roças. Assim, tiveram que adequar sua forma de vida às condições impostas.

História

Durante a colonização, os tupinambás do sudeste brasileiro se aliaram aos franceses e lutaram contra os portugueses. Guerreavam contra outros povos indígenas, em especial os tupiniquins, e eram conhecidos pela agressividade de seus ataques. Eram antropófagos (que se alimentam de carne humana). Tanto as guerras quanto a prática da antropofagia faziam parte de estratégias para fazer alianças e demonstrar poder.

O contato com o homem branco trouxe muitas doenças. Os tupinambás foram praticamente dizimados pela varíola.

Hans Staden

Um dos principais relatos sobre os tupinambás foi feito pelo alemão Hans Staden, no livro Duas viagens ao Brasil.

Hans Staden foi aprisionado pelos indígenas em janeiro de 1554 e ficou cerca de oito meses na aldeia do chefe Cunhambebe, em Ubatuba.

Durante esse tempo, por várias vezes os tupinambás ameaçaram devorá-lo e o fizeram assistir a rituais de antropofagia em aldeias diversas. Ele, no entanto, acabou sendo salvo por franceses e levado de volta à Europa, onde finalmente escreveu seu livro.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.