Vacinas são substâncias que impedem a disseminação de doenças. A vacinação da população contra determinadas doenças salva milhões de vidas. O caso da varíola exemplifica bem isso: a doença matou cerca de 2 milhões de pessoas em 1967, mas graças a um programa mundial de vacinação estava erradicada doze anos depois.

Como atuam as vacinas

Muitas doenças são causadas por germes minúsculos chamados bactérias ou vírus. Ao serem vacinadas contra uma doença, as pessoas recebem a bactéria ou o vírus que causa essa doença. Isso pode ser feito por meio de uma injeção, de uma gota na boca ou de um spray no nariz.

A bactéria de uma vacina está morta ou enfraquecida. Ela causa pouca ou nenhuma reação na pessoa que a recebe, mas leva o sistema imunológico do corpo a fabricar proteínas chamadas anticorpos, que combatem a doença. Se mais tarde a mesma bactéria entrar no corpo, o sistema imunológico saberá combatê-la.

História

Um médico inglês chamado Edward Jenner criou a primeira vacina em 1796. Jenner observou pessoas que haviam tido a doença branda chamada varíola bovina, notando que elas raramente contraíam a modalidade humana da varíola, uma doença mais grave. Ele fez experiências para descobrir a razão disso. Primeiramente, introduziu material de uma ferida de varíola bovina num garoto saudável. O garoto contraiu a varíola bovina. Jenner então introduziu material de uma ferida de varíola no braço do garoto, que permaneceu saudável. O material da varíola bovina havia agido como vacina contra a varíola humana.

O cientista francês Louis Pasteur foi outro pesquisador importante. Na década de 1880, ele desenvolveu uma vacina contra a raiva. Pasteur usou uma forma atenuada do vírus da raiva para obter a proteção contra um ataque do vírus em plena força.

Desde a época de Pasteur os cientistas vêm produzindo vacinas contra muitas doenças. Em meados do século XX, Jonas Salk criou uma vacina que praticamente erradicou a poliomielite. Desenvolveram-se também vacinas contra sarampo, caxumba, cólera, peste bubônica, tuberculose, gripe e hepatite.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.