O vodu é uma das religiões oficiais do Haiti. Africanos que foram levados ao Haiti como escravos no século XVII misturaram suas crenças tradicionais com o cristianismo, que aprenderam com os missionários, e assim se originou o vodu.

Crenças

O vodu combina as crenças em um deus único e em espíritos. O termo vodu vem da palavra vodun, que significa “deus” ou “espírito” em fon, uma língua africana. De acordo com essa crença, os espíritos estão em toda parte. Os seres humanos são espíritos que vivem no mundo visível. Espíritos invisíveis vivem em um mundo invisível chamado Ginen. Esses espíritos ajudam as pessoas a se comunicar com Bondje, que equivale ao Deus da Bíblia cristã (Bondje vem do francês bon dieu, que significa bom deus). Para os praticantes do vodu, Bondje é quem criou o Universo e tudo que existe nele, inclusive os espíritos.

Alguns seguidores acreditam que os mortos podem ser ressuscitados por meio de magia. Uma pessoa que volta à vida dessa maneira é chamada de zumbi, e diz-se que os feiticeiros controlam suas ações. É mais provável, porém, que os zumbis sejam pessoas vivas que foram severamente drogadas. Histórias relacionadas ao vodu inspiraram algumas das lendas modernas sobre zumbis, mas os zumbis de filmes e programas de TV nada têm a ver com a religião haitiana.

Práticas

No vodu, o principal objetivo é servir aos espíritos. Os seguidores rezam e realizam rituais para se conectar com os espíritos e com Deus. As cerimônias podem conter percussão, canto e dança. Durante alguns rituais, acredita-se que espíritos entrem no corpo das pessoas, e assim os humanos podem falar diretamente com eles. Uma pessoa possuída por um espírito pode cantar, dançar, dar conselhos ou realizar curas médicas. Como agradecimento, as pessoas dão presentes, ou oferendas, para o espírito.

No vodu não há um líder único, e sim redes de sacerdotes, homens e mulheres, que servem grupos locais, atuando como conselheiros, curandeiros e líderes dos rituais.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.