A religião conhecida como zoroastrismo (ou zoroastrianismo) foi fundada no século VI a.C. por um iraniano chamado Zoroastro. A maioria dos seus seguidores vive na Índia, onde essa religião é conhecida como parsismo e seus praticantes são chamados de parses.

Os zoroastristas acreditam que o mundo esteja mergulhado em uma batalha entre o bem e o mal. Eles veneram um deus supremo, Ahura Mazda, o criador do mundo e de todas as coisas boas. O mal é representado por Ahriman, criador de todas as coisas más. Os zoroastristas acreditam que, no final, todo o mal será destruído.

Os zoroastristas se empenham em se distanciar do mal. Ser generoso e sincero com as pessoas são atitudes importantes. Os seguidores vestem duas peças de roupa sagradas, o sadre (camisa) e o kusti (cinturão).

O fogo é um símbolo importante no zoroastrismo. Os seguidores da religião oram todos os dias muitas vezes em frente ao fogo. Entre as várias cerimônias há os rituais de limpeza e o sacrifício de um licor sagrado.

O zoroastrismo se disseminou aos poucos da Pérsia (atual Irã) para outros países. Tornou-se a fé oficial do país em 224 d.C., mas acabou sendo substituído pelo islamismo como principal religião da Pérsia. A maioria dos zoroastristas escapou de lá para se estabelecer na Índia. Atualmente, os seguidores do zoroastrismo vivem em cerca de vinte países.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.