Prudente José de Morais e Barros foi o primeiro presidente civil do Brasil, eleito em 1894. Antes dele, o Brasil já tinha sido governado por outros dois presidentes, ambos de formação militar, os marechais Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoto.

O governo de Prudente de Morais foi marcado por disputas entre aqueles que apoiavam uma política que ajudasse os fazendeiros de café e os que queriam investimentos na industrialização do país. Outra disputa era entre os que queriam um governo centralizador e os que preferiam a descentralização, com maior autonomia para os estados.

Começo de carreira

Prudente de Morais nasceu na cidade de Itu, no interior de São Paulo, no dia 4 de outubro de 1841. Ele ficou órfão de pai ainda pequeno. Foi criado pela mãe e pelo padrasto até mudar-se para a cidade de São Paulo, a fim de estudar na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco. Iniciou a carreira política em 1865, durante o Império, como vereador da cidade de Piracicaba, na qual passou a viver depois de terminar o curso de direito. Era republicano, abolicionista e federalista.

Com a proclamação da República, Morais tornou-se o primeiro governador do estado de São Paulo. Ficou no cargo até outubro de 1890, quando renunciou para assumir uma vaga no Senado, do qual chegou a ser vice-presidente. Foi o presidente da Assembleia Nacional Constituinte de 1891, que escreveu a primeira Constituição do Brasil republicano.

Presidência

Quando Prudente de Morais assumiu a Presidência da República, o Brasil enfrentava diversos problemas. Havia uma revolta no Rio Grande do Sul (a Revolta Federalista) e um clima de insatisfação entre os cafeicultores. Eles estavam muito descontentes com as dificuldades que vinham enfrentando devido às constantes quedas no preço do café.

Naquela época, o Ciclo do Café ainda estava em vigência, e o café tinha importância fundamental para a economia brasileira. No entanto, havia uma pressão de outros setores para que fossem incentivadas políticas de industrialização. Havia também um clima de tensão entre o exército e a oligarquia cafeicultora, porque os militares queriam um governo centralizado e os fazendeiros de café preferiam um governo descentralizado.

Prudente de Morais usou toda a sua habilidade e muita diplomacia para suavizar essas diferenças e fortalecer a economia, atendendo aos diferentes setores — mas, principalmente, aos cafeicultores. Ele procurou afastar os militares da política e fechou a Escola Militar, que enfrentava uma revolta, e o clube militar.

Enquanto contornava a crise política e a insatisfação com a economia, Prudente de Morais pôs fim à Revolta Federalista. Em seguida, ficou doente e teve que ser temporariamente afastado. O Brasil foi então comandado pelo vice-presidente, Manuel Vitorino Pereira. Logo que assumiu, Pereira teve de lidar com um grande problema: a Guerra de Canudos, no interior da Bahia.

Quando Prudente de Morais reassumiu o cargo, deu ordens para que se formasse um grande exército contra os revoltosos de Canudos. O governo ganhou a batalha. Muitos estudiosos consideram que a Guerra de Canudos foi um massacre contra os cerca de 20 mil sertanejos que haviam se unido ao líder Antônio Conselheiro, pois o conflito foi extremamente violento.

Final do mandato

Em 1897, durante uma cerimônia em homenagem às tropas vitoriosas em Canudos, Prudente de Morais sofreu um atentado. Isso levou o presidente a decretar estado de sítio, e ele passou a governar com amplos poderes (no estado de sítio, o presidente pode tomar decisões sem consultar as outras instâncias do governo, que são o Legislativo e o Judiciário). Com essa manobra, ele conseguiu enfraquecer seus opositores e favorecer ainda mais os interesses da oligarquia cafeicultora.

O mandato de Prudente de Morais terminou em 1898. Dentre as realizações de seu governo consideradas bem-sucedidas estão a solução do problema da fronteira com a Argentina e da questão diplomática com os ingleses (que tinham tomado posse da ilha de Trindade, no Espírito Santo), bem como a negociação de um tratado com o Japão, para a vinda de imigrantes japoneses ao Brasil.

Prudente de Morais morreu em Piracicaba, no dia 13 de dezembro de 1902.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.