Quando governos ou outros grupos poderosos estabelecem limites à liberdade de expressão das pessoas, impedindo-as de falar ou de publicar informações, isso é chamado de censura. Aqueles que a praticam são denominados censores. Os censores costumam examinar diversos materiais: impressos (livros, jornais, revistas), sonoros (canções, discursos), visuais (pinturas, fotografias), audiovisuais (peças de teatro, filmes, programas de televisão) e virtuais (sites na internet, e-mails), entre outros.

Quando encontram informações que não querem que as pessoas vejam ou ouçam, os censores podem proibir o material ou impedi-lo de circular. Algumas vezes, chegam até a punir a pessoa ou empresa que o criou.

Tipos de censura

Existem muitos tipos de censura. Algumas pessoas lutam para banir das bibliotecas escolares os livros de que não gostam. Os conselhos de escolas pressionam professores a não ensinarem certos assuntos na sala de aula.

Há um consenso de que algumas formas de censura são necessárias. Uma pessoa não tem liberdade, por exemplo, para gritar “Fogo!” em um teatro lotado quando não há fogo algum. Tal ação poderia causar pânico e pôr em risco a vida do público. Governos também podem recusar-se a divulgar certas informações se a segurança da nação estiver em risco. Por essa razão, muitos países aceitam um nível maior de censura em tempos de guerra.

História

Governos e líderes religiosos têm praticado a censura desde épocas remotas. Na Roma antiga, quem criticasse o governo podia ser multado, exilado ou condenado à morte. Antigamente, a Igreja Católica Romana censurava qualquer coisa que fosse contra os seus ensinamentos. A Inquisição, um tribunal da Igreja que existiu do final da Idade Média ao começo da Idade Moderna, podia prender, torturar e matar pessoas que se opusessem à Igreja.

Durante o século XVIII, as pessoas começaram a protestar com mais veemência contra a censura. Em 1791, a Lei de Direitos dos Estados Unidos limitou a censura do governo ao garantir a liberdade de expressão. Desde então, muitas nações democráticas têm adotado leis semelhantes. Todavia, em países com governos ditos comunistas ou em ditaduras, a censura ainda tem força. As pessoas nesses países só podem fazer ou dizer o que o governo aprovar.

Entre 1937 e 1945 e entre 1964 e 1985, o Brasil viveu sob regime de ditadura militar. Nesses períodos, o governo reprimiu a liberdade de expressão política do povo, proibindo o voto direto e as reuniões e manifestações populares. Além disso, a ditadura censurou os meios de comunicação, como jornais e revistas, e formas de expressão artística, como canções, peças de teatro, filmes e livros. Na imprensa, nenhuma notícia que criticasse o governo ou divulgasse suas práticas ditatoriais podia ser publicada. As pessoas que se manifestassem publicamente contra a ditadura eram perseguidas, presas, torturadas ou até mortas. Por causa disso, muitos artistas, jornalistas, políticos, intelectuais e opositores em geral fugiram e se exilaram em outros países.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.