Os ciganos são um povo tradicionalmente nômade, isto é, que se desloca de um lugar para outro. Originários do norte da Índia, os ciganos hoje vivem principalmente na Europa, sobretudo na República Tcheca, na Eslováquia, na Hungria, na Sérvia, na Bulgária e na Romênia. Existem cerca de 8 a 10 milhões de ciganos na Europa.

A língua cigana é o romani. Ela vem do sânscrito, o antigo idioma da Índia. Os ciganos também costumam falar a língua principal do país em que vivem.

Nem todos os ciganos são nômades. Alguns se fixam em cidades e se misturam ao restante da população. Os que são nômades se deslocam juntos em pequenos grupos. Alguns viajam de carro e dormem em tendas ou trailers. Uma minoria ainda viaja e vive em caravanas de carroças puxadas por cavalos. Às vezes os ciganos nômades vivem por algum tempo em locais desocupados, como casas, apartamentos e até lojas vazias.

Os ciganos nômades costumam ter trabalhos apropriados ao seu modo de vida. Atualmente, ganham dinheiro tocando música, lendo a sorte ou vendendo carros e trailers usados. No passado, vendiam gado e ajudavam os fazendeiros a cuidar dos animais, além de consertar panelas e outros produtos de metal.

Os ciganos saíram pela primeira vez do norte da Índia por volta do ano 1000. Foram para a Pérsia (atual Irã) e para a Armênia. Chegaram ao leste da Europa no século XIV e à Europa ocidental no século XV. Mais tarde, migraram também para a América do Norte, a América do Sul e a Austrália. Ciganos já foram maltratados e até mortos em razão da sua origem étnica — em especial na Alemanha nazista. Hoje alguns países estão adotando medidas para melhorar as condições de vida desse povo.

Os primeiros ciganos que chegaram ao Brasil vieram de Portugal, na segunda metade do século XVI. Atualmente, há registros de três grupos principais no país: os rom, os caló (ou calon) e os siti. Cada um tem cultura e dialeto próprios. Segundo dados do IBGE, existem assentamentos ciganos em cerca de 290 municípios brasileiros, em 21 estados, principalmente Minas Gerais, Bahia e Goiás.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.