Costas são áreas onde o mar e a terra se encontram. Zonas costeiras também são chamadas de praia ou de litoral. No mundo todo, existem cerca de 312.000 quilômetros de costas. As regiões costeiras são habitats únicos, ambientes desafiadores que servem de lar para diversos animais e plantas.

Os litorais podem ser formados por areia, rocha, lama ou cascalho. Alguns têm penhascos íngremes que são fustigados pelas ondas, enquanto outros são amplas faixas de terra em que o sobe e desce das marés é mais claramente visível.

Como as costas se formam

As regiões costeiras vêm sofrendo mudanças ao longo de milhões de anos. Atividade vulcânica, eras glaciais e mudanças no nível do mar são alguns dos eventos geológicos que as afetam. Dois outros fatores que influenciam seu formato e sua composição são a erosão e a sedimentação.

Erosão

Água, vento e gelo causam erosão ao desgastar as rochas e o solo. As ondas do mar atiram bolsas de ar contra as rochas. Essas bolsas se expandem e explodem, causando danos nas rochas ao longo do tempo. A força contínua das ondas também provoca desgaste, decompondo as rochas e o solo em fragmentos cada vez menores. A água que fica presa em fendas e rachaduras muitas vezes congela nas épocas de frio; quando a temperatura aumenta, essa água se expande ao derreter, alargando as fendas. Plantas, animais e pessoas também são agentes causadores de erosão costeira.

Formações como grutas marinhas, arcos, baías e enseadas podem resultar da erosão. Outro resultado pode ser a destruição de terrenos e de casas, quando penhascos sofrem deslizamento.

Sedimentação

A sedimentação é o acúmulo de matéria como pedras, cascalho, areia e lama. À medida que se aproximam do litoral, os rios se alargam e perdem grande parte de sua energia. Quando isso acontece, todo a matéria que eles vinham transportando é depositada no fundo de seu leito ou no mar. Praias arenosas, estuários, barras de areia, penínsulas, deltas e lagoas se formam como resultado da sedimentação.

Flora e fauna

Animais e plantas que habitam as áreas litorâneas fazem parte de um ecossistema especial. Esses organismos têm de lidar com condições meteorológicas extremas, como vento, chuva, água salgada, marés e ondas. Por essa razão, muitos deles não existem em nenhum outro lugar.

Costões rochosos são habitats de alta energia, constantemente golpeados pelas ondas, o que dificulta a presença de vida animal. Quando a maré baixa, porém, piscinas de pedra servem de refúgio para pequenos caranguejos e animais de corpo mole, como anêmonas-do-mar. Animais que possuem concha, tais como mexilhões e cracas, fixam-se firmemente às rochas e conseguem resistir até às ondas mais furiosas. Medusas e conchas muitas vezes são atiradas para a praia pela força da água, especialmente depois de uma tempestade marinha.

Algas castanhas, como a kelp e a fava-do-mar, são comumente encontradas nas regiões costeiras. A alface-do-mar forma um tapete verde e viscoso sobre rochas lisas, enquanto liquens multicoloridos cobrem pedras que se erguem acima das ondas.

Em praias arenosas, um certo tipo de minhoca vive na água; os buracos e os montinhos de areia que ela deixa para trás são o único sinal de sua presença quando a maré baixa. Nas zonas mais secas, tais como dunas de areia e topos de penhascos, crescem gramas altas, limônios e relvas-do-olimpo.

Aves marinhas costumam se abrigar nas zonas costeiras. Ninhos de andorinhas-do-mar e de batuíras podem ser encontrados em costões rochosos. Gaivotas, guinchos, cacongos e andorinhas estão entre os muitos tipos de aves que visitam essas áreas em busca de alimento. Pássaros grandes, como o falcão-peregrino, formam seus ninhos em falésias.

Fósseis

A erosão de uma área costeira pode ter benefícios inesperados. Às vezes, quando a terra se desgasta, fósseis são descobertos. Fósseis são restos de plantas e de animais que viveram milhões de anos atrás. Fósseis de amonites e de outros animais marinhos foram encontrados, por exemplo, nos litorais de Northumbrian e de Dorset, na Inglaterra. Ao sofrerem erosão, falésias das regiões de East Anglia e da ilha de Wight, também na Inglaterra, revelaram restos de animais que viveram ali há muito tempo, dentre eles dinossauros, mamutes e tubarões.

O litoral e as pessoas

Os litorais são habitados há milhares de anos, o que prova que são bons lugares para viver. Os ancestrais dos seres humanos estabeleceram-se à beira-mar. As águas cheias de peixes e de mariscos eram uma fonte abundante de alimentos. Grutas e falésias serviam de abrigo contra intempéries e predadores, como os lobos.

Assentamentos costeiros

Muitas áreas costeiras começaram a se desenvolver e a se transformar cerca de 15.000 anos atrás, à medida que a Idade do Gelo foi chegando ao fim. O gelo derreteu e o nível do mar subiu; as pessoas seguiram para o norte e começaram a habitar cavernas, geralmente perto da costa. No Reino Unido, a habitação mais antiga de que se tem conhecimento foi descoberta por arqueólogos na borda de um penhasco em Howick, no condado de Northumberland. As pessoas que ali viviam, cerca de 9.600 anos atrás, recolhiam pederneiras da costa para fazer suas ferramentas.

Viajantes e invasores

A vida à beira-mar permitia que as pessoas realizassem comércio com viajantes estrangeiros. Comunidades costeiras tradicionalmente mantêm fortes ligações com outros países. Geralmente essas comunidades têm grande diversidade cultural e gastronômica, reflexo da variedade de povos que aportavam em suas margens.

Por outro lado, visitantes indesejáveis, tais como invasores, também podiam fazer sua primeira aparição em áreas costeiras. Por essa razão, as costas da Grã-Bretanha são salpicadas de castelos e de outros edifícios militares. Durante centenas de anos essas construções serviram como uma primeira linha de defesa contra invasões. O castelo de Dover, no sudeste da Inglaterra, foi construído em terreno que já servia como local de defesa desde a Idade do Ferro, há pelo menos 2.400 anos. O castelo de Bamburgh, em Northumberland, foi construído pelos normandos depois que estes invadiram a Inglaterra, em 1066. O castelo de Pendennis, na Cornualha, foi construído pelo rei Henrique VIII para defender a Inglaterra contra a invasão de espanhóis e franceses.

Litorais em mudança

As regiões costeiras mudam continuamente como resultado do movimento das placas tectônicas. Ao longo do tempo, esse movimento provoca variações no nível do mar. Os cientistas também preveem que mudanças climáticas causadas pelo aquecimento global farão com que os níveis oceânicos aumentem. Além disso, uma intensificação na poluição marinha vem afetando os litorais e seus ecossistemas delicados.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.