A patinação no gelo é um bom divertimento, mas também é um esporte de competição. Os patinadores deslizam pelo gelo usando patins especiais – calçados com uma lâmina de metal afixada no solado. A patinação no gelo pode ser praticada ao ar livre, sobre lagos ou canais congelados, ou em pistas cobertas, também chamadas de rinques.

As competições de patinação no gelo se dividem em artística e de velocidade. Ambas fazem parte dos Jogos Olímpicos de Inverno. Os patinadores artísticos também costumam fazer apresentações em várias partes do mundo. O hóquei no gelo é um esporte de equipe que também requer o domínio dos patins no gelo. Ele é praticado em ligas profissionais e nas Olimpíadas.

Patins para patinação no gelo

Há três tipos básicos de patins para gelo: os de patinação artística, os de velocidade e os de hóquei. Os usados na patinação artística são os melhores para patinar por lazer. O cano da bota chega acima do tornozelo, e a lâmina é quase do comprimento da bota. Os patins têm um serrilhado na ponta, na frente da lâmina, que ajuda o patinador a manter o equilíbrio quando ele dá saltos.

Os patins de velocidade são projetados para corridas. Eles têm uma lâmina longa presa à bota de cano curto.

Os patins de hóquei têm lâminas curtas e curvas nas extremidades. Esse modelo permite que o jogador dê giros rápidos em alta velocidade. A bota é reforçada para proteger os pés.

Patinação artística

A patinação artística tornou-se esporte olímpico nas Olimpíadas de 1908, antes que houvesse a divisão em Jogos de Inverno e Jogos de Verão. Atualmente, é um dos eventos mais populares dos Jogos de Inverno.

Os patinadores executam sequências de saltos, piruetas e dança, acompanhadas de música. Os juízes escolhem o vencedor. Os patinadores são avaliados conforme seu desempenho nas sequências e suas qualidades artísticas. Até 1990, eles também eram avaliados pelas figuras que tinham de fazer no gelo com os patins.

Os patinadores fazem apresentações individuais ou em duplas: um homem e uma mulher. A dança no gelo também pode ser executada em apresentação solo ou em duplas. Em 1976, ela se tornou uma modalidade à parte. A dança no gelo é semelhante à dança de salão.

Patinação de velocidade

A patinação de velocidade e a de velocidade em pista curta são modalidades de corrida. A primeira faz parte dos Jogos Olímpicos desde 1924; a corrida em pista curta realizou-se pela primeira vez nas Olimpíadas de 1992. Os patinadores de velocidade correm em pares ao redor de uma pista, mas os pares não competem diretamente entre si. Depois que todos os participantes correram, o que conseguiu o melhor tempo é o vencedor. Os patinadores de pista curta competem entre si ao mesmo tempo: vários participantes correm pela pista, tentando alcançar primeiro a linha de chegada. Nessa modalidade há também a corrida de revezamento, disputada entre times de quatro atletas.

História

A patinação no gelo teve início no norte da Europa, possivelmente em 1000 a.C. Os primeiros patins eram feitos de ossos de animais, como renas, alces ou bois. A atividade tornou-se muito popular nos Países Baixos, onde há muitos cursos de água artificiais, chamados canais. No inverno, os patinadores usavam os canais para se deslocar de um lugar a outro. Patinar em lagos congelados era muito comum na Inglaterra do século XVII, e foram os ingleses que introduziram a patinação na América do Norte.

A primeira pista coberta foi inaugurada em Londres, na Inglaterra, em 1876, e era feita de gelo artificial. Três anos mais tarde, foi inaugurada a primeira pista de patinação coberta nos Estados Unidos, no Madison Square Garden, na cidade de Nova York. As pistas de gelo cobertas podem ser usadas mesmo no verão e também servem para a apresentação de grandes astros da patinação.

No Brasil, a Confederação Brasileira de Desportos no Gelo (CBDG) promove um campeonato nacional da modalidade, além de outros eventos relativos a esportes sobre o gelo.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.