O salmão é um peixe famoso pelas viagens longas e difíceis que faz para se alimentar e se reproduzir. Pertence à família científica dos salmonídeos, que também inclui a truta. Ele nasce na água doce dos rios e vive na água salgada do mar.

Onde vivem os salmões

Existem sete espécies de salmão: uma no oceano Atlântico e seis no oceano Pacífico. O salmão-do-atlântico é encontrado principalmente na parte norte do oceano e se reproduz nos rios da América do Norte e da Europa.

As seis espécies do Pacífico são: coho, chum, real (ou chinook), rosado, vermelho (ou sockeye) e cereja (ou masu). Encontradas nas águas do norte desse oceano, reproduzem-se nos rios perto das costas norte-americana e asiática.

Características físicas

O tamanho do salmão varia muito. A espécie que vive no Atlântico pesa em média cerca de 5,5 quilos. As espécies do Pacífico diferem bastante umas das outras. O salmão-rosado normalmente pesa de 1,4 a 2,7 quilos, mas o salmão-real pode alcançar 11 quilos ou mais.

Enquanto está no oceano, o salmão tem cor prateada e manchas nas costas e nas barbatanas. Durante a estação reprodutiva, nos rios, sua cor passa por mudanças que variam de acordo com a espécie.

Ciclo de vida

Depois de nascer na água doce, o salmão viaja para o oceano, onde vive de um a três anos. Ele então volta ao seu local de nascimento para se reproduzir. Alguns salmões chegam a percorrer mais de 3.200 quilômetros nessa jornada. Para chegar a seu lugar de origem, eles precisam nadar contra a correnteza, vencendo quedas-d’água e corredeiras agitadas.

Uma vez em água doce, o salmão para de comer e se mantém graças à gordura acumulada no corpo. Os machos lutam, disputando uma companheira. Depois do acasalamento, a fêmea cava um buraco e põe milhares de ovos nele. A maioria dos salmões do Pacífico morre logo depois do acasalamento, mas o salmão do Atlântico geralmente consegue voltar ao mar e se reproduzir novamente.

Translate this page

Choose a language from the menu above to view a computer-translated version of this page. Please note: Text within images is not translated, some features may not work properly after translation, and the translation may not accurately convey the intended meaning. Britannica does not review the converted text.

After translating an article, all tools except font up/font down will be disabled. To re-enable the tools or to convert back to English, click "view original" on the Google Translate toolbar.